16 setembro 2009

QUATRO POEMAS













NUMEROLOGIA

o medo era tanto
que ele marcou encontro
às 18h37min, e tinham
que se ver exatamente
às 18h37min,
e ele compareceu
agarrado e nu
nos números,
mas ela não.


FALTA DE PREVISÃO

os antigos mesopotâmicos
esqueceram de avisar
os horoscopistas
que nos dias de capricórnio
o sol não
está mais
nos limites
de capricórnio
como na época
dos antigos mesopotâmicos,
e agora, meu deus?


A AÇÃO DO ESPÍRITO

o poeta cria
que baixavam do espírito
gerente do universo ltda
os versos que produzia,
até que um dia
o espírito baixou
e deu uns sopapos
no poeta
por escrever
tão mal.


TESE CIRCULAR

o poeta jurava
que a poesia
não servia
pra nada,
foi contratado.
passou a usar versos
para vender coisas
que ninguém precisava,
ganhou carro e casa.
e continuou a defender
que a poesia
não servia pra nada.


Sidnei Schneider

Marcadores:

4 Comments:

Blogger Juliana Meira disse...

bacana Sidnei!
bjs

16/9/09 16:21  
Blogger Ed disse...

Sidnei, adorei! Tão informal, rapidinho! Escreveu dando risada, né!

Beeijo!


P.S.: como nenhum espírito resolveu baixar em mim, eu mesma me dou sopapos... mas sou boazinha comigo. Nem dói.
P.S.2: Ei, sou capricorniana, dizem.

16/9/09 23:06  
Anonymous Anônimo disse...

Gostei muito do ceticismo do primeiro poema. Jorge Fróes

19/9/09 01:50  
Blogger Leo Schneider disse...

oiê
ri-me por aqui ;D

publicidade, e poesia tb é propanganda?
.
espiritualização inspirativa?
..
essa dos mesopotâmicos me lembra das jantas e voltas na quadra.
...
nu nos números hehe

beijo pai
Leo..

27/9/09 21:41  

Postar um comentário

<< Home