26 novembro 2005

O SORRISO


Creio que foi o sorriso,
o sorriso foi quem abriu a porta.
Era um sorriso com muita luz
lá dentro, apetecia
entrar nele, tirar a roupa, ficar
nu dentro daquele sorriso.
Correr, navegar, morrer naquele sorriso.


Eugénio de Andrade (1923-2005), Portugal.

3 Comments:

Blogger cezar dias disse...

pois não é que esse poeta morreu mesmo!? Abraço
ps.: nesse sábado não publiquei nada: computador com defeito.

30/11/05 11:58  
Anonymous dani_langer disse...

olá, sidnei
retribuindo a visita! ótimo o blog e a qualidade dos poemas - gostei um tanto.
beijos.

1/12/05 18:53  
Anonymous Anônimo disse...

Gosto muito desse poema. Lembro de tê-lo lido na tua casa,e anotado.

Jorge

4/12/05 15:02  

Postar um comentário

<< Home